williamdejesusfoto.png

William de Jesus

A entidade social chamada lar é uma extensão da singularidade do sujeito, tal fato pode ser atestado através de uma rápida análise da organização espacial e da disposição de cores, móveis e objetos decorativos. Lugar de morada, estadia, repouso, união familiar… Independente do que se construa como definição para o espaço, sim, há aspectos essencialmente pessoais. E de tão pessoal, tão próprio, íntimo, há algo de grandioso em poder adentrá-lo. Com toda essa bagagem em mãos e no mesmo estado de encanto, adentramos também a obra do designer de interiores e artista plástico William de Jesus.

 

Morador do município de São Gonçalo, estado do Rio de Janeiro, William deu seus primeiros passos na arte ainda na escola, quando participava de competições de desenho e festivais musicais. Sua grande descoberta do universo criativo deu-se, quem sabe, quando William de Jesus aproveitou o fim de um ciclo para iniciar outro: o artista utilizou sua rescisão contratual, do posto de vigia em um colégio, para cursar Design de Interiores no Senac de Niterói, durante os anos de 2016 e 2017.

 

Sua busca pelo olhar estético para ambientes transcende as paredes, criando um “estado da arte” que, segundo Wiliam, vem da alma, tendo personalidade e transmitindo algo para além das formas e cores. Como um rio, desembocando nas sensações, memórias, afetos e histórias. Desembocando e manifestando-se através de plantas, minerais, cachoeiras, praias e, sobretudo, em sua origem afro.

 

A obra de Willian de Jesus possibilita um maravilhoso mergulho na união entre o design de interiores e as artes visuais, pousando seu poder simbólico em elementos repletos de valor histórico, cultural e artístico. Atrelar o vivenciar de um espaço tão íntimo e representativo como o lar às estatuetas afro representa também um encontro, um reencontro, uma imersão cultural e um convite de retorno às origens. A partir de materiais como plantas desidratadas, carvão, barro, vasos de cerâmica, madeira, vidros e pedras, William de Jesus, com sagacidade, cria trabalhos que enriquecem diversos perfis de lares com potência estética, por certo, mas também com perspectiva política.